A 17 de Dezembro de 2020, comemoram-se 250 anos do nascimento de Ludwig van Beethoven. O Kvar Ensemble assinala esta data com um concerto dedicado ao compositor, no qual se poderão ouvir duas obras para quarteto com piano: o Quarteto n.º 3, em dó maior, WoO 36, e o Quarteto em mi bemol maior, Op. 16.

O Quarteto n.º 3, em dó maior, foi escrito em 1785, quando Beethoven tinha apenas quinze anos. O quarteto com piano — formação de câmara constituída por violino, viola, violoncelo e piano — tinha sido até então pouco explorado pelos compositores, e o jovem Beethoven foi certamente influenciado pelo primeiro quarteto composto por Mozart no mesmo ano. Sendo embora uma obra de juventude, este quarteto inclui fragmentos temáticos que Beethoven viria a usar posteriormente nas sonatas para piano Op. 2, n.º 1, em fá maior, e n.º 3, em dó maior. De entre os três quartetos com piano que constituem o conjunto WoO 36, o n.º 3 é, sem dúvida, aquele cuja escrita revela maior maturidade. Contudo, apesar de se verificar já alguma emancipação nas partes do violino e da viola, o violoncelo ainda surge maioritariamente como uma amplificação da mão esquerda do piano.

Quarteto em mi bemol maior, Op. 16, é uma transcrição do Quinteto em mi bemol maior para piano, oboé, clarinete, fagote e trompa, e data de 1796. A versão para quarteto com piano, realizada pelo próprio compositor, é, contudo, mais do que uma simples transcrição; trata-se mais precisamente de uma reformulação cuidada, com alterações que tiram partido das características dos instrumentos de corda e pequenas modificações na parte de piano (e.g., no último andamento), que conferem um charme especial à música. Acredita-se que a transcrição tenha sido concebida com o intuito de tornar esta obra também acessível aos agrupamentos de piano e cordas amadores que proliferavam em Viena naquela época. Neste quarteto, mais arrojado e ambicioso, do terceiro período de composição de Beethoven, escutamos já uma generosa distribuição temática por todos os instrumentos.